segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Porque temos tanto medo da meia-idade ?

Embracing middle age: Jane still has her sense of self

Nós fingimos que não estamos lá ainda - e lutamos desesperadamente para esconder as provas. Mas a autora Jane Xelim de 50 e tal, diz que traz alegrias inesperadas: 

.

Cinco anos atrás, quando eu tinha 47, comecei a escrever um livro de memórias sobre a experiência da meia idade. Pensei que poderia encontrar algumas surpresas pelo caminho.
Afinal, escrever sobre uma experiência enquanto se está a passar por ela significa que a história está mudando continuamente, e você nunca sabe exactamente o que está por vir.
O que eu não previa era a reacção quando as pessoas descobriam o que eu estava a fazer. Eu conhecia alguém, começava a conversar e, eventualmente, perguntavam: O que você está fazendo?
Quando eu dizia que estava a escrever um livro sobre a Meia Idade, eles faziam um tipo peculiar de careta malandra e diziam: 'Não que você saiba alguma coisa sobre isso, é claro!'
Absolutamente todos fizeram isso - e depois de algum tempo isso se tornou uma espécie de piada privada.
Eu fazia pequenas apostas comigo mesma em como esta ou aquela pessoa não diria o mesmo. Mas sempre o disseram.
O que era estranho, porque eu tinha 47 anos quando comecei a escrever o meu livro - e embora eu goste de pensar que estou num estado razoável de conservação para a minha idade, não havia nenhuma dúvida sobre isso. Eu era um exemplo inequívoco de mulher de meia-idade como se pode esperar conhecer.
Então, por que todos se sentiam obrigados a tranquilizar-me, como se eu fosse uma excepção do que obviamente acham uma espécie de maldição? O que estava tão errado, eu me perguntava, em ser de meia-idade?

Eu sabia pelas minhas leituras que a meia-idade nem sempre foi considerada um estado lastimável. A literatura antes de meados do século 20 está cheia de mulheres de meia-idade fabulosamente sedutoras.
A Mulher de Bath de Chaucer (Contos de Canterbury)- uma Cougar de 40 anos, séculos antes do termo ter sido inventado - é casada pela quinta vez com um homem com metade da sua idade, e descreve com delicioso autocontrole o seu apetite pelas coisas boas da vida: sexo, dinheiro e óptimos sapatos. A meia-idade como a dela pareceu-me totalmente desejável.
Então, você só tem que procurar para encontrar uma cultura na qual o encanto de uma mulher de certa idade é estimado e admirado, onde as mulheres, como o bom vinho, são consideradas mais profundas, mais complexas, mais interessantes e desejáveis - em suma, mais "sexy" - quando se aproximam de meia idade.
O contraste entre a atitude e a atmosfera que nos rodeia é bizarro.
Embora as pessoas de meia-idade predominem no Reino Unido, onde a idade média é de 39,5 anos, é doloroso ver como são punitivas as atitudes para com as mulheres de meia-idade, cheias de aversão, desprezo e algo muito parecido com medo.

Nos meus 20s e 30s eu estava acostumada a encontrar, reflectidas, imagens de mulheres como eu - em revistas, filmes, programas de rádio e televisão e de ficção. Mas chegar à meia-idade é descobrir que a sua história, aparentemente, já não vale a pena ser contada.
As imagens contemporâneas da meia-idade são todas sobre fingir que ela não está lá - 60 são os novos 40! Ou que se está lá, você pode mantê-la de alguma forma à distância com um coquetel de hormonas sintéticas, cirurgia, cosméticos, dietas e vigilância constante.
A única alternativa para a juventude prolongada artificialmente parece ser a versão "Velha garota mal humorada" do envelhecimento - uma espécie de "poder de velha miúda" em que a luta comovente para permanecer jovem é abandonada em favor de uma festa desenfreada do excêntrico.
"Uma vez passada a menopausa, todos nós somos pessoas estranhas", escreveu Germaine Greer, um notável colaborador do estilo velho e mal-humorado.
É uma coisa extraordinária de se dizer - que todos os homens após os 50 anos de idade se consideram pessoas estranhas? As suas esposas, filhos e empregados podem pensar assim, mas eu aposto que não é isso que eles pensam de si mesmos.

Mas uma das coisas que eu comecei a notar foi a estranha aquiescência de mulheres na meia-idade, quando confrontadas com caricaturas de si mesmas que não lhes fazem jus.
Essa coisa de ser excêntrica, "esquecível", feia e geralmente uma piada parece ter-se tornado o ponto de vista padrão para as mulheres de meia-idade - aprovado até mesmo por uma organização tão tenazmente liberal como a BBC, que foi recentemente forçada a pagar uma indemnização e pedir desculpas à ex-apresentadora Miriam O'Reilly depois dela ter sido descartada por ser "muito velha" com 51.
Você suporia que uma geração na menopausa de "baby boomers", educadas no feminismo e habituadas a trabalhar em condições de igualdade com os homens iria colocar uma forte resistência ao ver-se tratada com tanto desprezo.

Mas quando consultei os manuais sobre a menopausa na minha livraria local, mesmo aqueles escritos por mulheres estavam cheios de descrições dramáticas dos sintomas de incapacidade física e mental que eu estaria, aparentemente, experimentando, para os quais a TRH (Terapia de Reposição Hormonal) é apresentada como a panaceia universal.
Senti-me em dúvida sobre medicar o que era, afinal, um evento físico natural, e fui surpreendida quando me encontrei com uma médica aproximadamente da minha idade numa reunião de faculdade que, quando eu disse que não tinha planos de fazer TRH, começou a descrever quase com prazer, o murchar da carne e a desintegração dos ossos que me atingiriam em breve se eu rejeitasse as drogas.

Embora eu tenha tido sorte suficiente para passar ao lado da maioria dos sintomas físicos extremos que  habitam os manuais da menopausa com detalhes sombrios, eu ainda me sentia perturbada com a minha passagem para a meia-idade.
Não conseguia ver como caberia em qualquer dos poucos papéis que são, aparentemente, tudo o que é oferecido a uma mulher de 50 e tal. Velha querida? Cota lutadora? Falsa fêmea frágil? Eu não conseguia reconhecer-me em nenhum deles.
E sentia que as coisas ainda estavam a mudar, e em breve teria que tomar uma decisão sobre se me entregava, ou tentava resistir e agarrar-me um pouco mais ao que restou da minha juventude.
De qualquer forma, eu sabia que emocionalmente a maior batalha que enfrentava era a aceitação do minguar dos meus atractivos físicos.

Certa manhã, vi-me ao espelho da casa de banho e percebi que os meus olhos pareciam ter-se afundado, de maneira que era possível ver claramente o contorno do crânio debaixo da pele.
Eu sempre tive sombras escuras debaixo dos olhos. Mas de repente elas pareciam ter-se espalhado. Ao invés de uma mancha violeta delicada havia um lívido semi-círculo índigo debaixo de cada olho. Olhei-me ao espelho, e a imagem que olhou para mim fez-me lembrar uma desanimada tartaruga.
Consternada, eu desisti do álcool, comecei a beber litros de água e comprei um creme muito caro que prometeu banir as olheiras em algumas semanas.
Mas um editor comissionista teve uma ideia melhor. Eu gostaria de fazer um tratamento facial com um dermatologista top? Bem, é claro que eu faria.


Com ingenuidade surpreendente, eu imaginava que este dermatologista iria tratar o meu rosto envelhecido com óleos de ervas, massagens e, possivelmente, algumas coisas mais exóticas - cristais, talvez? Não me ocorreu, até que o vi avançar com uma seringa, que era Botox o que eu tinha permitido.
Tendo chegado a um acordo com a minha aparência imperfeita há muito tempo, parecia um pouco tarde para estar a tentar fazer algo sobre ela agora. Mas havia uma razão mais profunda para a surpresa que senti sobre o Botox e Restylane que estavam prestes a ser injectados no meu rosto.
A minha cara e identidade pareciam inseparáveis para mim, e eu estava preocupada que ao mudar uma, poderia, de alguma forma indefinível alterar a outra.
Na verdade, o dermatologista era um homem amável, com um toque artístico. Quando cheguei a casa, a única mudança na minha cara era uma fascinante incapacidade de juntar as sobrancelhas, e um hematoma enorme e escuro no meu lábio superior. O hematoma desapareceu muito rapidamente, mas o meu filho, quando eu lhe perguntei, não achou que eu parecesse mais jovem.

A única coisa que me surpreendeu foi quão sedutora achei a melhora quase imperceptível na minha aparência. Eu mesma comecei a perguntar-me se devia aceitar a oferta do dermatologista para complementar o tratamento, intrigada com a ideia de que, mesmo agora, tão tardiamente, a minha sorte poderia ser transformada por uma mudança na minha aparência.
Essa fantasia diminuiu logo ao descobrir o que o tratamento teria custado a um cliente pagante: o suficiente para realizar algumas reformas tão necessários na minha casa. Mais do que suficiente para comprar uma pintura linda que eu tinha visto numa galeria de West End.
Com uma pontada de arrependimento eu disse a mim mesma que tinha chegado à idade em que era melhor que a minha auto-estima dependesse de algo mais do que o reflexo do meu rosto no espelho.
Tudo o que li sobre a meia-idade salientou que é um tempo em que as mulheres começam a sentir uma grande necessidade de defender pontos de vista polémicos. Mas eu tinha sido assim toda a minha vida, então comecei a pensar que era hora de mudar.
Lembrei-me da Nigella Lawson dizer que a vida ficou ainda melhor com o passar dos anos, e embora nem todas possamos esperar uma meia-idade tão glamourosa como o dela, pensei que ela tinha marcado um ponto.

Como criança e jovem adulta, eu percebi que as minhas duas avós tinham cada qual, uma qualidade especial de compostura, e uma certa frivolidade inesperada.
Ambas tiveram muito com que se preocupar na sua longa vida. Elas nasceram vitorianas e cresceram no turbulento século 20.
Ambas tinham maridos que foram para a guerra - um como soldado em 1916, outro como marinheiro em 1939. Nenhuma levou uma vida perfeitamente segura, as duas passaram por decepção, dor e tristeza.
Apesar das suas personalidades serem muito diferentes, cada uma pareceu-me, ao crescer, ter a calma constante de alguém perfeitamente no comando de si mesma, e com essa calma uma vontade de ter prazer em pequenos detalhes - um bolo, uma flor, um chapéu, um jóia, um tordo no peitoril da janela, um novo gatinho, o que, à medida que eu própria ia envelhecendo, fui vendo como uma qualidade tanto admirável como corajosa.

A meia-idade é, sem dúvida, um momento de perda - e algumas dessas perdas podem ser graves.
Aos 47 anos eu pensei que um ânimo forte e um bom corte de cabelo seriam protecção suficiente contra os seus desmandos. Aos 50 eu soube mais. Mas, embora a experiência seja mais difícil do que eu esperava, também é mais ressonante e interessante.
Eu ainda estou a aprender a ser de meia-idade, por isso não posso afirmar ter descoberto os seus segredos, mas à medida que o processo de envelhecimento continua, parece-me ser mais um processo sobre o que fica do que sobre o que está perdido.
A flor da idade adulta está fadada a diminuir - e tentar agarrar-se a ela parece-me inútil. A reprodução de qualquer coisa - sejam móveis, pinturas ou jovens - é sempre menos interessante do que a coisa real.
Mas o fascínio não tem necessariamente de desaparecer. É que aos 50, ele tem menos a ver com a firmeza da carne, e mais a ver com a firmeza do ser.
Se existe um segredo para a juventude eterna, acho que provavelmente não envolve Botox ou HRT, mas tem mais a ver com o jeito das minhas avós de continuar a descobrir a maravilha do mundo, mesmo nos momentos difíceis.
Embora também seja verdade que um óptimo par de sapatos e um bom correctivo fazem a vida parecer melhor em qualquer idade.


Leia a versão original em inglês e respectivos comentários aqui


1 comentário:

  1. Olá Nazaré. Desde já obrigada pela visita ao meu blog.
    Aquela série dá no canal da Foxlife aos domingos (acho eu)

    ResponderEliminar